Na pista desde 2009, o grupo de rap Oriente chega à capital mineira para mostrar a turnê “Desorientado”. O show vai ser nesta quarta-feira (14), no festival Encontro das Tribos II. Em conversa com o TREM PARA FAZER e rádio Super Notícia FM, além de comentar sobre a apresentação, que será no Hangar 677 (rua Henriqueto Cardinalli, 121, bairro Olhos D’Água), o responsável pelo beatbox da banda Leonardo Geninho Vidal revelou que o Oriente assinou contratado com a Sony Music e que um disco novo vai chegar ao mercado fonográfico entre julho e agosto. O rapper Criolo está entre os convidados especiais desse álbum inédito.


ENTREVISTA
TREM PARA FAZER: O que vai rolar no show desta quarta-feira?
GENINHO: Este show encerra o que nós chamamos de turnê “Desorientado”. No meio dessa turnê, a gente lançou um material acústico e fizemos alguns shows, em algumas determinadas cidades. Então, quem viu o formato acústico, viu; quem não viu, provavelmente vai ver o acústico II. Opa, olha o spoiler aí, galera!

TPF: Mas vai rolar alguma canção inédita?
G: Inédita, por enquanto, a gente não vai apresentar, porque tem que deixar o público assimilar os lançamentos antes de mostrar a forma ao vivo deles para que exista aquela interação maneira: quando a música começar, o público já chega junto cantando. Então, a gente vai cantar músicas do repertório “Desorientado” e as músicas do “Yin-Yang”, já lançadas e disponíveis na internet.

TPF: O Oriente tem mais de 450 milhões de visualizações no YouTube e mais de 40 milhões no Spotify. Esse sucesso foi impulsionado?
G: 
Essa reverberação aí veio do nosso trabalho mesmo. Ela é fruto de um trabalho feito com carinho e dedicação, focando sempre na qualidade musical. E, graças a Deus, o acústico foi um projeto que a gente teve grande sucesso. Nós não precisamos usar de impulsionamentos ou de grandes manobras para fazê-lo acontecer. Acho que era um material que o público estava doido para ouvir, doido para ver, e a gente foi e acertou. Nós devemos muito aos nossos fãs e as pessoas que nunca deixaram de compartilhar nosso som, nunca deixaram de acompanhar e de mostrar para seus familiares.

TPF: E esse público todo é só online ou ele cola nas apresentações?
G: Nossos fãs são maravilhosos! Eles não ficam presos só na internet ou dentro de casa. Graças a Deus, eles vão aos shows, chegam junto, deixam os lugares lotados, cantam todas as músicas, mostram o maior carinho com a gente. E você vê que não é uma parada recente, pois o fã da banda já conhece toda a trajetória e, graças a Deus, a gente tem o maior carinho por todos eles.

TPF: Geninho, e tem um disco novo vindo aí, certo?
G: 
Felipe, este disco está sendo muito aguardado. A gente já chegou a falar várias datas, mas agora está para valer mesmo. E eu acredito que ele saia oficialmente entre o mês sete e o mês oito, porque a gente vai fazer uma sequência de lançamentos para esquentar o disco de novo. Já que a galera está esperando tanto, nós queremos fazer um lançamento a altura. Então, a gente vai disponibilizar uma música que se chama “Essa Eu Fiz Para Você”, que é uma canção de mulher para mulher, com a textura 2017 e com a timbragem atual. E, depois, vamos fazer o lançamento de mais duas músicas antes de apresentar o material completo para todo mundo… enfim, está na portinha!

TPF: Vocês assinaram com uma grande gravadora, a Sony Music. Já era um sonho, um objetivo na carreira?
G: Quando você começa qualquer projeto, ainda mais quando só você acredita e todo mundo ao redor acha que está maluco, é claro que você não imagina que vai dar tão certo, ao nível de chegar uma gravadora e chamar a gente para assinar. Mas tive que acreditar no meu projeto, porque se eu não acreditasse, ninguém acreditaria! Então, eu e meus companheiros de grupo (Chino, Nissin e Bruno) acreditamos, botamos pra frente e nunca deixamos as pessoas diminuírem ou falarem mal do projeto.

TPF: Por conta desse contrato com a Sony Music, o perfil da banda muda? Ou o viés continua o mesmo?
G: Chega uma hora que você tem que dar um passo maior. E isso demanda coragem e sabedoria para fazer na hora certa, porque a gente também não quer perder o fã que acompanha o grupo desde o início e ainda quer deixá-lo bem tranquilo de que nossa essência, nosso padrão, não vai mudar! A gravadora está aqui para ajudar a gente e dar toda a infraestrutura para os trabalhos que precisamos executar. Agora, o grupo vai conseguir focar em músicas para a rádio, em músicas para novelas, em músicas para a televisão e cinema. Não que a gente vai deixar de fazer música para o underground, mas a gente se torna um grupo de world music, fazendo uma música universal e para todos os ouvintes. Vamos agradar desde o porteiro do seu prédio até sua avó.

TPF: Cara, o próximo disco, obviamente, sairá pela Sony. As canções já estão prontas? São todas de vocês?
G: Essas músicas do disco novo já estão todas gravadas. E, geralmente no disco, quem está cantando é quem escreveu. Teve um música só que a gente trouxe compositores lá de São Paulo. A gente fechou com uma equipe de lá para fazer um som específico. Mas o resto todo é de autoria nossa. Então, ele é feito pelas nossas mãos mesmo, parceiro.

TPF: Já que estamos falando desse trabalho novo: qual é o nome do disco? Qual é a pegada das músicas? Vocês vão falar de política?
G
: O nome do disco é “Yin-Yang”, que é o princípio básico da dualidade: o claro e o escuro; o calmo e o agitado. Então, dentro desse disco, tem várias músicas que fecham seus próprios “yin-yang”. Tem músicas que são completamente opostas, mas que não teriam o mesmo sentido se a outra não estive junta no mesmo trabalho. A gente aborda política, aborda romance, aborda viagens, aborda temáticas comuns a todos, coisas do dia a dia. É um disco que, assim que você der o play na primeira música, não vai querer passar nenhuma e, na hora que ele acabar, vai achar que passou muito rápido e vai perceber que queria mais daquilo ali.

TPF: E vai rolar umas participações marotas? Quem vocês convidaram?
G: Pode ter certeza que as participações deste disco são de peso. Assim que vocês lerem a tracklist do disco, vão cair para trás. A gente tem no disco Tony Garrido, Zeca Baleiro, Daniel Profeta, Criolo… Então, tem umas participações aí, meu amigo, de peso.

TPF: E já tem previsão para a turnê deste disco?
G: A turnê deste disco ainda está para ser anunciada, até porque a gente parte de um princípio de que é preciso dar um tempinho para que a pessoa absorva aquela música ali e crie um carinho por uma delas ou por várias, o que geralmente acontece. Então, por enquanto, estamos focados no lançamento do disco e, depois disso, vamos anunciar a turnê toda fechadinha e bonitinha para todo mundo.

TPF: Obrigado, Geninho. Sucesso e um ótimo show no Hangar 677, bairro Olhos D’Água, em Belo Horizonte.
G:
Valeu, Felipe. Obrigado, rádio Super Notícia. Obrigado a rapaziada que cedeu este espaço pra gente falar do nosso trabalho.

10616336_732819073458113_6339608728372869717_n.jpg
Leonardo Geninho Vidal é responsável pelo beatbox do grupo Oriente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s